Ir para o conteúdo

MAPFRE Investimentos: Mercado de trabalho dos EUA no foco das atenções na primeira semana de 2019

São Paulo, 3 de janeiro de 2019 - A primeira semana do ano contempla divulgações e eventos reveladores acerca do que podemos esperar para os primeiros meses de 2019 tanto no âmbito nacional, como no internacional. No primeiro caso, contamos com a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro. Nesta sexta-feira (4), será divulgado o dado de criação de empregos totais na economia norte-americana.

A visão da MAPFRE Investimentos é de que os dados de criação dos empregos nos EUA serão determinantes para balizar o humor dos investidores. Há sinais cada vez mais evidentes de desaceleração da economia norte-americana. Isso fica notório nos dados de vendas varejistas, de produção industrial, do mercado imobiliário e de confiança do consumidor. Se a criação de empregos norte-americanos ficar aquém do esperado, a percepção do mercado será de que o ritmo de crescimento da economia norte-americana poderá não se sustentar.

Neste caso, é possível contar com uma maior aversão a risco, com impactos nos preços de economias emergentes. Mas a desaceleração da economia norte-americana não constitui o único fator com potencial de impacto na aversão a risco. Como se sabe, o governo dos EUA entrou em paralisação parcial de suas atividades pela falta de acordo entre o Congresso e a Casa Branca sobre o financiamento do muro na fronteira com o México.

Para superar esse "shutdown" do Governo pelo menos temporariamente, será necessário que o Congresso e a Casa Branca cheguem a um acordo. Caso este acordo não ocorra no curto prazo, seguiremos com mais um fator de incerteza no radar, em detrimento dos preços dos ativos de economias emergentes.

Eventos como esses potencializam a tendência de fortaleza do dólar, como se observa abaixo. Mas há eventos que podem mitigar esse movimento. Além de dados positivos acerca da atividade econômica e de um possível acordo no Congresso dos EUA, o presidente do FED, Jerome Powell, poderá dar indicações de que o ciclo de aperto da política monetária norte-americana será mais curto ou menos intenso. Além disso, a guerra comercial entre EUA e China poderá passar por um período de distensão.



Renda Variável
O ano de 2019 começa com expectativas renovadas com relação às empresas listadas na bolsa de valores. Normalmente nesta época do ano as gestoras são estimuladas a informar quais são os setores e empresas que irão se destacar ao longo do ano. Na prática, as carteiras já estão montadas pois, em tese, os papéis que o gestor tem na carteira já refletem a melhor expectativa do gestor para período seguinte.

É possível afirmar que ainda existe espaço para uma revalorização das incorporadoras de média e alta renda em bolsa. Esse viés já está começando a ser refletido em nossa carteira. Iremos aumentando as posições tão logo cresça a convicção sobre as empresas do setor.

A expectativa é que as incorporadoras voltem a realizar lançamentos após um longo período com foco na redução dos estoques. A expansão da economia, mesmo que tímida, estimula tais empresas a fazerem novos lançamentos. Por parte dos bancos, o empréstimo imobiliário é uma linha de que tem sua atratividade devido à garantia do próprio imóvel, da vinculação do cliente por um prazo longo e da venda de outros serviços como conta corrente, seguros e corretagem.

A lei sancionada nesta semana sobre distrato no setor imobiliário (13.786/2018) também tira uma grande incerteza para as empresas do ramo. A lei traz maior segurança jurídica às construtoras e aos compradores de imóveis, que operavam sob jurisprudência. Agora ficam mais claras as condições para devolver os imóveis e para o reembolso de recursos caso haja desistência da compra. Ela estabelece também que os montantes a serem pagos pela incorporadora quando ocorre o atraso na entrega da obra. Essa era uma demanda de muitos anos das construtoras listadas em bolsa.

Apesar de todo o otimismo qualitativo, uma das dificuldades dos analistas e gestores de mercado está em precificar uma empresa de construção. Queremos ter uma ideia de quanto vale a empresa para saber qual é a melhor alternativa de investimento. Os métodos tradicionais que utilizam receitas e custos históricos se provou errôneo em muitos casos. As empresas divulgam seus números baseados em reconhecimento de receita e de custos conforme o percentual da obra que já foi concluído. O problema? Depois que a obra acaba, podem surgir custos inesperados, mas a receita não pode mais subir, pois as unidades já estão vendidas. Estamos trabalhando não só em nomes, mas também em metodologias para tentar capturar uma eventual melhora do setor.

GESTÃO
A semana de 26 a 28 de dezembro transcorreu em tom de otimismo, com os investidores antecipando as apostas de que o governo que irá assumir na próxima semana levará a bom termo as reformas estruturais de que o país necessita. Contribuiu para isso o arrefecimento do sentimento negativo no cenário externo, dado o relativo esgotamento dos indicadores técnicos após as fortes quedas das semanas anteriores, sobretudo dos índices acionários americanos.

Apesar do tom mais hawkish adotado pelo Fed em seu último comunicado, os fundamentos da economia americana seguem robustos e desautorizam, no momento, qualquer prognóstico de recessão. Houve também a percepção, por parte dos investidores, de oportunidades após os índices acionários americanos terem entrado oficialmente em território de bear market (correção de 20% desde os picos), motivando um pullback dos índices Dow Jones e S&P 500, que subiram cerca de 3% na semana. Além disso, na China, diante dos crescentes sinais de desaceleração das vendas, do crescimento da economia e dos lucros das empresas, a autoridade monetária adotou tom mais flexível em comunicado nesta semana, abrindo espaço para uma política mais acomodatícia. Como resultado, as commodities reagiram, com destaque para o minério de ferro e o petróleo.
Já no Brasil, o clima de otimismo se refletiu em avanço de 2,6% do Ibovespa – praticamente todo ele no último dia da semana – e recuos de 0,6% no dólar e nos DIs, que seguiram fechando e devolvendo prêmios nos vértices mais longos, embora neste caso com variações muito menores.

Na próxima semana, ainda curta devido às festas de final de ano, esperamos crescimento e normalização nos volumes negociados, com os investidores atentos aos anúncios e sinalizações do governo que ora se inicia.


DISCLAIMER - Este conteúdo foi criado pela MAPFRE Investimentos S/A (MAPFRE Investimentos) e é disponibilizado apenas para fins informativos. Sua finalidade exclusiva é emitir opiniões técnicas de cunho particular, acerca de possíveis movimentações do cenário atual do mercado que possam ocasionar eventuais impactos ao investidor e/ou potencial investidor. As informações, opiniões, estimativas e projeções apresentadas constituem concepção exclusiva da MAPFRE Investimentos, considerando a data atual e dados públicos confiáveis. Essas observações estão sujeitas a alterações sem aviso prévio a exclusivo critério da Empresa, que não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este material. A MAPFRE Investimentos reforça que este conteúdo não é uma sugestão para a compra ou venda de qualquer instrumento financeiro nem tem a pretensão de indicar investimento pessoal e não leva em conta as características de investimentos específicos, a situação financeira e as necessidades particulares de qualquer pessoa que tenha acesso a este informe. A Companhia recomenda que o investidor ou potencial investidor busque orientação financeira sobre o melhor produto a ser adquirido, observando a adequação ao seu perfil, antes de realizar qualquer tipo de investimento financeiro. A MAPFRE Investimentos, seus administradores e funcionários estão isentos de quaisquer responsabilidades sobre eventuais danos resultantes direta ou indiretamente da utilização das informações contidas neste informativo.

Sobre a MAPFRE - No Brasil desde 1992, a MAPFRE é parte do grupo espanhol que forma uma das maiores empresas de prestação de serviços nos mercados segurador, financeiro, de saúde e pesquisa do mundo. Sólida e inovadora, está presente nos cinco continentes. Especialista nos segmentos em que atua, a MAPFRE opera com bases de negócios sustentáveis e é dividida em unidades de Investimentos, Consórcios, Capitalização, Previdência e Vida Resgatável, Saúde, Seguros (por meio do GRUPO Segurador Banco do Brasil e MAPFRE), Assistência e Pesquisa e Desenvolvimento (CESVI Brasil). A companhia ainda mantém a Fundación MAPFRE, instituição sem fins lucrativos, que promove e desenvolve atividades de interesse geral da população. Mais informações sobre produtos e soluções: www.mapfre.com.br.

A unidade MAPFRE Investimentos é especializada na gestão de fundos de investimentos que atendem aos segmentos de pessoa física e jurídica, além de entidades de previdência complementar, totalizando hoje um volume superior a R$ 10 bilhões.

Informações para imprensa - CDN Comunicação
Ana Beatriz Paschoal | + 55 11 3643-2737 | anabeatriz.paschoal@cdn.com.br 
Henrique Alves | + 55 11 3643-2736 | henrique.alves@cdn.com.br
Harley Moreira | + 55 11 3643-2767 | harley.moreira@cdn.com.br
Karina Alves | + 55 11 5111-1787 | karina.alves@cdn.com.br
Fernanda Monteiro | + 55 11 3643-2804 | fernanda.monteiro@cdn.com.br

Voltar ao topo