Ir para o conteúdo

Previdência privada é boa opção para investimento de jovens

São Paulo, 20 de setembro de 2017 - A conta é simples: quanto mais cedo se começa a poupar, maior será a renda disponível no futuro. Por isso, especialistas em educação financeira recomendam que jovens ingressantes no mercado de trabalho procurem formas inteligentes de investir o salário. Entre as alterativas disponíveis para esse planejamento, a mais comum no Brasil é a previdência privada.

Para a hora de poupar, ao invés de definir um valor fixo mensal, a dica é estabelecer um percentual da remuneração a ser destinada ao plano de previdência e não deixar de atualizar o valor das contribuições ao longo dos anos. A dica é de Maristela Gorayb, diretora da MAPFRE Comercial e planejadora financeira CFP®. “Estamos vivendo mais e, portanto, temos que nos programar para acumular recursos para subsidiar nosso padrão de vida quando saímos do mercado de trabalho”, diz.

Existem duas modalidades de previdência, o PGBL (Plano Geral de Benefícios Livres) e o VGBL (Vida Gerador de Benefícios Livres), e ambas preveem atualização dos valores de contribuição pela inflação, mas o participante do plano pode aumentar este valor se sua renda cresceu acima da inflação e fazer o ajuste.

Para escolher entre o PGBL e o VGBL, o jovem deve levar em consideração o modelo de declaração de imposto de renda. A primeira opção é indicada para quem faz a declaração completa; e o segundo, para os que optam pela simplificada.

De acordo com a especialista da MAPFRE, antes de assinar um contrato de previdência privada, é necessário análise das as condições comerciais e técnicas, performance e serviços oferecidos. Confira as orientações:

  1. Condições comerciais
    Taxa de carregamento – é um percentual que incide sobre cada contribuição feita ao plano. Pode ser cobrada “na entrada”, ou seja, no aporte, ou “na saída”, no resgate.
    Taxa de administração financeira – é a taxa cobrada pelo fundo de investimento atrelado ao plano, expressa em percentual ao ano (%a.a.).

  2. Condições técnicas
    Peça simulações de renda e compare os resultados, quanto maior a renda simulada, melhor a condição técnica oferecida. Em condições iguais de “tábua atuarial” e “taxa de juros”, a melhor condição é a que oferece o maior “excedente financeiro”.

    Tábua atuarial – são estatísticas de expectativa de vida em cada idade, utilizadas para definir o valor da renda no momento da aposentadoria.
    Taxa de juros garantida na concessão de renda – quanto maior a taxa, melhor será o resultado da renda simulada.
    Excedente financeiro – é o percentual do que exceder os juros garantidos acima, mais inflação, por exemplo, que é compartido com o cliente na fase de pagamento de renda. Neste caso, quanto maior o percentual, melhor.

  3. Performance
    Depois de definido o perfil de fundo de investimento atrelado ao plano, conservador, moderado ou agressivo, é muito importante observar a performance, mas sempre comparando com fundos de mesma categoria. Como se trata de um produto de longo prazo, recomenda-se observar períodos longos para esta comparação. Embora a rentabilidade passada não seja garantia de rentabilidade futura, é possível concluir algo com base na consistência dos resultados do passado sobre a qualidade da gestão de investimentos.

  4. Serviços
    Neste caso, observar os serviços oferecidos para que se possa acompanhar a evolução do plano, performance do fundo, processos para fazer movimentações como aportes ou retiradas.

PGBL x VGBL

No PGBL, quem usa o modelo completo de declaração imposto de renda pode deduzir as contribuições do respectivo exercício, no limite máximo de 12% de sua renda bruta anual tributável.

No momento do resgate, o IR incide sobre o valor total a ser resgatado ou recebido sob a forma de renda.

No VGBL, os valores pagos não podem ser deduzidos na declaração e, portanto, este tipo de plano seria mais adequado a quem usa o modelo simplificado da declaração

No momento do resgate, o IR incide apenas sobre os rendimentos.


Seguro de vida resgatável e planejamento financeiro

Uma opção inovadora ainda pouco conhecida dos brasileiros para o planejamento financeiro, o seguro de vida resgatável. O Bién Vivir, da MAPFRE, oferece diversificação às opções de proteção resgatável existentes hoje no mercado, além de garantias diferenciadas, e de se adaptar às condições de acordo com o momento de vida de cada pessoa pelo tempo que ela desejar. Para contratar o plano, o cliente pode ter de 18 a 70 anos. O valor mensal ou anual a ser pago será calculado a partir do capital do segurado, além da avaliação do perfil, como idade, hábitos, condição de saúde, profissão, preferências esportivas e de lazer. A cobertura vai até R$ 25 milhões.

SOBRE A MAPFRE - No Brasil desde 1992, a MAPFRE é parte do grupo espanhol que forma uma das maiores empresas de prestação de serviços nos mercados segurador, financeiro, de saúde e pesquisa do mundo. Sólida e inovadora, está presente nos cinco continentes. Especialista nos segmentos em que atua, a MAPFRE opera com bases de negócios sustentáveis e é dividida em unidades de Investimentos, Consórcios, Capitalização, Previdência e Vida Resgatável, Saúde, Seguros (por meio do GRUPO Segurador Banco do Brasil e MAPFRE), Assistência e Pesquisa e Desenvolvimento (CESVI Brasil). A companhia ainda mantém a Fundación MAPFRE, instituição sem fins lucrativos, que promove e desenvolve atividades de interesse geral da população. Mais informações sobre produtos e soluções: www.mapfre.com.br.

Informações para imprensa - CDN Comunicação
Ana Beatriz Paschoal | + 55 11 3643-2737 | anabeatriz.paschoal@cdn.com.br
Henrique Rodrigues | + 55 11 3643- 2736 | henrique.alves@cdn.com.br

Voltar ao topo