Menú Principal
Menú Principal

Gestão Ambiental

Compromisso ambiental

Por meio de sua Política de Meio Ambiente, a MAPFRE orienta a implementação de ações para otimizar o uso de recursos naturais e mitigar os impactos de suas operações, garantindo o cumprimento dos requisitos legais ambientais vigentes no país, bem como o alinhamento aos compromissos assumidos voluntariamente pela empresa.

A MAPFRE também busca promover a conscientização e a disseminação de boas práticas ambientais entre seus colaboradores e em sua cadeia de valor, por meio de treinamentos e campanhas institucionais.

Certificações

ISO 14001
Desde 2014, uma das sedes administrativas da MAPFRE, em São Paulo, é certificada pela NBR ISO 14001, atestando que o Sistema de Gestão Ambiental da empresa atende aos requisitos da norma.

A certificação foi conquistada graças ao estabelecimento de metas e indicadores ambientais para as áreas, investimentos em treinamentos para os colaboradores e adequação de processos aos padrões internacionais preestabelecidos pela norma.

Atualmente, o Sistema de Gestão Ambiental da MAPFRE no Brasil está passando por uma reestruturação e novos procedimentos, metas e indicadores serão implantados.

LEED (Leadership in Energy and Environmental Design)
Parte dos escritórios da MAPFRE em São Paulo está em um edifício sustentável construído de acordo com as diretrizes estabelecidas pelo U.S. Green Building Council, instituição internacional que coordena a certificação LEED (Leadership in Energy and Environmental Design), tendo conquistado o selo LEED SILVER para a estrutura do prédio e o selo LEED GOLD para o interior do escritório.

Ecoeficiência

Para a MAPFRE, a gestão eficiente do uso de recursos naturais diminui o impacto ambiental dos negócios, contribuindo para a redução de custos operacionais. Por isso, a empresa investe na revisão de

processos internos e no desenvolvimento de programas de ecoeficiência.

Os principais projetos desenvolvidos nesse aspecto são:

  • Curso e-learning de Gestão Ambiental obrigatório para todos os colaboradores;
  • Engajamento dos colaboradores na Política de Meio Ambiente;
  • Uso de tecnologia de alta eficiência, para diminuição do consumo de água e energia em um dos edifícios sede.

Produtos e serviços

A MAPFRE conta com um portfólio de produtos e serviços de assistência para a gestão do risco ambiental e para incentivar a adoção de práticas sustentáveis:

  • RC Danos Ambientais (Grandes Riscos), que procura minimizar os danos relativos à contaminação por vazamento ou acidentes com substâncias perigosas ou contaminantes;
  • Coberturas Sustentáveis no Seguro Residencial (Massificados), como o Descarte Inteligente, para móveis e equipamentos, e a Consultoria Ambiental;
  • Remoção de Destroços (Grandes Riscos), que é um serviço oferecido nas apólices para embarcações de recreio e aeronaves privadas e de uso executivo, minimizando os danos ao meio ambiente.

Emissões

Desde 2013, a MAPFRE participa do Programa Brasileiro GHG Protocol e registra publicamente suas emissões de gases de efeito estufa garantindo transparência sobre informações relevantes para a sociedade e fortalecendo sua atuação em relação ao meio ambiente. O inventário da MAPFRE publicado em 2018 foi classificado como categoria prata e está disponível para consulta aqui.

Ainda pensando nas emissões, e com o objetivo de compensar parte das emissões de gases de efeito estufa (GEE) dos veículos segurados da sua carteira, a MAPFRE promoveu, no Dia Mundial Sem Carro de 2018, celebrado em 22 de setembro, a compra de créditos de carbono com investimento em projeto de compensação florestal.

Foram compensadas 2.767 tCOe (toneladas de carbono equivalente), com base em metodologia de empresa especializada na área, contratada pela MAPFRE.

Os créditos de carbono adquiridos, por sua vez, foram investidos no projeto de recuperação florestal Ecomapuá, da Amazônia paraense. Trata-se de uma área que se estende por 90.000 hectares do bioma amazônico na Ilha de Marajó, na jusante do Rio Amazonas, região de conservação considerada de prioridade “extremamente alta” pelo Ministério do Meio Ambiente. Nessa área residem mais de 100 famílias, que dependem dos recursos naturais da floresta para sobreviver.